quarta-feira, 12 de junho de 2013

DIVERSIDADE RACIAL E IDENTIDADE NEGRA - Qual a Necessidade da Identidade Racial?Identidade Étnica?Identidade Étnica?No Brasil, somos fruto da junção de raças que se entrelaçaram.



DIVERSIDADE RACIAL E IDENTIDADE NEGRA

Por Marco Davi de Oliveira

Identidade Racial no Brasil 
Creio que a questão central para a análise da diversidade racial é a identidade. 
Não há como refletirmos sobre diversidade sem abordarmos essa questão tão séria e pertinente. O livro Enciclopédia Brasileira da Diáspora Negra de Ney Costa define identidade como sendo “a consciência que um indivíduo tem de pertencer a um determinado grupo social (1)”. 
Se identidade é isto, podemos começar fazendo algumas perguntas que são essenciais para a discussão sobre igualdade racial, políticas de ações afirmativas e muito mais. 
A identidade racial se torna fundamental no âmbito de novas discussões sobre o racismo e a igualdade de raças no Brasil.

Qual a Necessidade da Identidade Racial? 
O primeiro aspecto para se obter uma identidade racial é verificar a necessidade de se ter uma identidade.
 O grupo que busca uma identidade é o grupo que está se percebendo esquecido, quando uma raça luta para não ser esquecida, quando uma raça luta pelo resgate de sua história, seus costumes, suas origens. Logo, este grupo começa por identificar a sua identidade. Os negros, ao contrário dos brancos no Brasil, reivindicam a identidade de um povo que não se pode esquecer. Utilizamos aqui o termo raça, não porque achamos existirem várias raças, mas porque analisando os grupos sociais no Brasil não sei se podemos fugir desta categoria.

Identidade e Especificidade 
Pensar em identidade racial se torna abrangente numa realidade de segregação social, econômica e política, onde muitos negros e brancos vivem à margem da sociedade.


 É claro que não podemos ver negros e brancos como iguais porque isso seria negar os anos de sofrimentos desde a escravidão até aos dias atuais.

É importante pensar numa identidade. Mas, qual identidade? A brasileira? Como chegar nessa identidade em meio a tantas misturas raciais? 

Alguns podem objetar ressaltando que a inter- racialidade é a identidade brasileira.
 Mas, de fato não explica já que não há igualdade nessa mistura.
 Para chegarmos a esta identificação como brasileiros, precisamos ver total igualdade, social, econômica e política. 
Neste contexto, devemos pensar em duas expressões que quero chamar de emblemáticas
a racialidade e a especificidade

racialidadeque perpassa as questões biológicas e denota características emocionais e culturais que faz com que membros de um grupo racial específico compartilhem entre si traços e tendências que não são compartilhadas por membros de outras raças, mesmo que haja, como no Brasil, extensa diversidade racial.
 Quando se pensa em identidade racial deve-se levar em conta a racialidade e não a nacionalidade, porque não se descobre participante ativo de um grupo, com todos direitos e deveres como cidadão, simplesmente por causa da nacionalidade. 
Não se pode esquecer, simplesmente, o conceito de raças porque elas são “construtos sociais, formas de identidade baseadas numa ideia biológica errônea, mas socialmente eficaz para construir, manter e reproduzir diferenças e privilégios, se não são fato no mundo físico, elas existem, de modo pleno, no mundo social”(2).

A questão da identidade deve passar por aquilo que quero chamar de especificidade.

 Por especificidade denomino a qualidade de ser específico no que concerne às coisas externas ao grupo. 
Que vai além da pigmentação da pele, da estrutura óssea, do modo de ver as coisas, da cultura adquirida, da história etc. 

A identidade com tudo aquilo que é especifico numa raça ou etnia. 

Daí, podemos propor que no Brasil há uma variedade de especificidade racial e que a raça negra, embora sobrepuje as outras raças neste quesito, é a raça que é marginalizada por ser tão específica. 

Identidade Étnica? 
Talvez devêssemos pensar em identidade étnica. Para isto, precisamos levar em conta a abrangência também desta palavra. 



A pergunta é: O que estamos querendo dizer quanto pronunciamos esta palavra? 

A expressão identifica um povo, mesmo que por razões ideológicas este povo esteja perdido na história da sociedade; mesmo que haja uma grande confusão quanto ao que é ser negro no Brasil. 

Talvez, a expressão “identidade negra” seja mais plausível que se possa imaginar porque mexe com a consciência de quem se encontra consigo mesmo enquanto identidade racial e não se envergonha de suas origens
No Brasil, somos fruto da junção de 
raças que se entrelaçaram

Quando pensamos em negritude no Brasil, talvez devamos chamar a atenção para um Brasil negro-mestiço ou um Brasil de negros.
Quem sabe, poderemos afirmar que somos uma nação de negros? 
Mas, será que a expressão mestiço não pode também estar submetida à ideologia que tem como objetivo apagar e aniquilar algum grupo, antes majoritário? 
Como disse Kabengele Munanga, “a mestiçagem não pode ser concebida apenas como um fenômeno estritamente biológico, isto é, um fluxo de genes entre populações originariamente diferentes [...] a noção de mestiçagem, está saturada de ideologia ”

Identidade: coisa dada?
Alguns acreditam ter chegado à identidade quando atropelados por ações racistas. 
É claro que o confronto com valores racistas podem trazer à luz as coisas que foram esquecidas ou ideologicamente manipuladas. Mas, pensar assim é crer que não há possibilidade de se obter uma identidade a não ser por uma ação externa que subjuga os negros e exalta os brancos. 
Esse pensamento mostra que os negros só se compreendem como raça quando são objeto das ações racistas de alguns brancos que, assim, ajudam os coitados negros sem consciência. 
Será que nós, negros, precisamos da ajuda paternalista de brancos para compreendermos a nossa história, nossa cultura singular, nossa situação como grupo relegado a segundo plano na estrutura política, econômica e social do país? 
Embora possamos, sem radicalismo, admitir que muitas mudanças estejam acontecendo, ainda acreditamos ser um processo muito lento.

Identidade Adquirida 

Pensar em identidade dos negros no Brasil como coisa legítima deve nos conduzir àquele momento crucial quando nos percebemos como membros de um grupo racial específico dentro de um contexto de exclusão.

Quando reconhecemos, não só na pigmentação da pele ou nas informações recebidas pelas pesquisas governamentais, que somos membros de um grupo racial desprestigiado e, por isso, não podemos pensar somente em nossa situação individual.


 Quando chegamos a estas conclusões, somos invadidos por uma consciência de quem somos como povo e porque não estamos em melhor situação no que concerne à nossa cidadania. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário