quinta-feira, 29 de maio de 2014

PARA REFLEXÃO DE PAI E MÃE AUSENTES NA VIDA DOS FILHOS : OS FAZ REFLETIR SOBRE AS MUITAS MANEIRAS DE UM PAI OU UMA MÃE SE FAZEREM PRESENTES, DE SE COMUNICAREM COM O FILHO






texto para sensibilização e reflexão  : 

O NÓ DO AFETO
Em uma reunião de Pais, numa Escola da Periferia, a Diretora ressaltava o apoio que os pais devem dar aos filhos. Pedia-Ihes, também, que se fizessem presentes o máximo de tempo possível.

Ela entendia que, embora a maioria dos pais e mães daquela comunidade trabalhasse fora, deveriam achar um tempinho para se dedicar às crianças.
Mas a diretora ficou muito surpresa quando um pai se levantou a explicou, com seu jeito humilde, que ele não tinha tempo de falar com o filho, nem de vê-lo durante a semana.
Quando ele saía para trabalhar, era muito cedo e o filho ainda estava dormindo. Quando ele voltava do serviço era muito tarde e o garoto não estava mais acordado.
 Ele contou, também, que isso o deixava angustiado por não ter tempo para o filho , mas  que tentava se redimir indo beija-lo todas as noites quando chegava em casa.
E, combinou com , que para que ele  soubesse da sua presença, ele daria um nó na ponta do lençol que o cobria.
Isso acontecia, religiosamente, todas as noites quando ia ao seu quarto, sentar ao lado da cama, fazer-lhe uma oração e depois dar-lhe um beijo de boa noite.
 Quando o filho acordava , a primeira coisa que fazia era olhar  o nó, pois sabia, através dele, que o pai tinha estado ali e o havia beijado.
O nó era o meio de comunicação entre eles.
A diretora ficou emocionada com aquela história singela e emocionante.
                 _______________________________________________
O FATO NOS FAZ REFLETIR SOBRE AS MUITAS MANEIRAS DE UM PAI OU UMA MÃE SE FAZEREM PRESENTES, DE SE COMUNICAREM COM O FILHO.
Aquele pai encontrou a sua, simples, mas eficiente forma de comunicação . E o mais Importante é que o filho percebia, através do nó afetivo, o que o pai estava lhe dizendo.
Por vezes, nos importamos tanto com a forma de dizer as coisas e esquecemos o principal, que é a comunicação através do sentimento.
SIMPLES GESTOS COMO UM BEIJO A UM NÓ NA PONTA DO LENÇOL, VALIAM, PARA AQUELE FILHO, MUITO MAIS QUE PRESENTES OU DESCULPAS VAZIAS.
É válido que nos preocupemos com nossos filhos, mas é importante que eles saibam, que eles sintam isso.
PARA QUE HAJA A COMUNICAÇÃO, É PRECISO QUE OS FILHOS "OUÇAM" A LINGUAGEM DO NOSSO CORAÇÃO, POIS EM MATÉRIA DE AFETO, OS SENTIMENTOS SEMPRE FALAM MAIS ALTO QUE AS PALAVRAS.
É por essa razão que um beijo, um afago ou um abraço revestidos do mais puro afeto, cura a dor de cabeça, o arranhão no joelho, o ciúme do bebê que roubou o colo ou o medo do escuro.
A CRIANÇA PODE NÃO ENTENDER O SIGNIFICADO DE MUITAS PALAVRAS, MAS SABE REGISTRAR UM GESTO DE AMOR.
Mesmo que esse gesto seja apenas um nó. Um nó cheio de afeto e carinho.
E você... Pai, Mãe ...  já deu algum nó no lençol de seu filho, hoje?

PARA REFLEXÃO DE  PAI E MÃE AUSENTES: 



Filhos que têm pais vivos mas não têm seu amor, seus cuidados, seu carinho, sua atenção, onde poucas vezes têm apenas ajuda financeira. O abandono afetivo geralmente acontece após o divórcio dos pais e a figura que se faz ausente em sua grande maioria é o pai que após a separação deixa de ver a criança, deixa de visitar e de se fazer presente e participar da vida do menor, passando a ser uma figura cada vez mais desconhecida e distante. O que tem acontecido bastante hoje em dia, devido ao alto índice de separações conjugais, é o distanciamento da figura paterna que chega a perder o contato com seus filhos, fazendo com que esses sejam verdadeiros órfãos de pai vivo.
Os filhos que sofrem em razão do abandono afetivo não construirão uma memória positiva de amor, carinho, de afeto e cuidados, referente ao pai ausente, assim como, não se sentirão importantes para a figura que o abandona, sendo assim, muito provavelmente, embora haja sofrimento, com o passar do tempo substituirão a figura ausente por outra pessoa acolhedora que faça parte do seu convívio.
Psiquicamente essa substituição é positiva pois contribui para construção da personalidade baseada em referenciais suficientemente bons, onde haverá referência de amor e moral. Toda e qualquer criança precisa se sentir acolhida e amada, o abandono afetivo destrói a auto-estima, a referência de amor e moral que a criança um dia teve.
Pais que agem dessa maneira esquecem que uma criança, além das necessidades materiais tem muitas outras: ser protegida, ensinada, amparada, encorajada e, sobretudo, amada. São coisas que também fazem parte da função de um pai. Com um valor maior do que, por exemplo, pagar uma escola caríssima para o filho. Essa função não deve ser perdida sob nenhuma hipótese e há a necessidade de que este pai seja maduro o suficiente para entender que o casamento acabou e não o papel de pai, que embora esteja enfrentando o divórcio, seus filhos não devem ser penalizados e esquecidos de tal forma.
Quantos filhos não trocariam muitos bens que possuem pela presença mais constante de seu pai?
Ter um filho vai além de uma questão afetiva. É uma questão moral. Quem tem um filho tem o dever moral de cuidar dele em seus aspectos físicos e psíquicos, até que ele possa por si só caminhar sozinho. E mesmo assim os pais continuam indispensáveis. Assim como é dever dos filhos cuidar de seus pais. De uma coisa ela vai precisar sempre – de um pai e uma mãe que estejam ao seu lado para enfrentar os desafios.
Infelizmente, o índice de abandono afetivo é real e alto. Quem é pai, pode até não se fazer presente mas é consciente deste ato pois sabe que existe uma criança “abandonada”, sendo assim, sob esta ótica é indescritível definir um ser humano que de forma consciente abandona seu filho, colocando-o sob a condição de filho órfão de um pai vivo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário