sábado, 31 de dezembro de 2016

12 hábitos para você eliminar e viver realmente mais feliz com a família

12 hábitos para você eliminar e 

viver realmente mais feliz com a família

 Juliano Primavesi







Não é de hoje que somos obcecados pela Felicidade. Não é invenção que grandes sucessos do cinema tem essa temática: “À procura da Felicidade”, contando a trajetória do Chris Gardner; o indicado ao Óscar “Patch Adams – O Amor é Contagioso”; o vencedor do Óscar “A Vida É Bela”, que conta a história do Guido, mandado para um campo de concentração na Segunda Guerra Mundial; “A Vida Secreta de Walter Mitty”, que nos inspira a sonhar junto com o protagonista.
Imagine agora como está o seu nível de felicidade hoje?
 de 0 a 100, que nota você se dá?
Se você se deu 100, Parabéns, espero hoje, humildemente conseguir te ajudar a passar de 100. Se alguns pontos podem ser melhorados no seu estado permanente de felicidade, dá uma lida nas coisas fascinantes sobre felicidade que eu descobri, digo, Psicólogos da Universidade da Califórnia descobriram, que podem mudar a tua vida hoje.
Dra. Sonja Lyubomirsky é uma professora de psicologia no campus de Riverside, que é conhecida entre seus colegas como “a rainha da felicidade.” Ela começou a estudar a felicidade quando era estudante de graduação e nunca mais parou, dedicando sua carreira ao assunto.
Uma de suas principais descobertas é que todos nós temos um “ponto de ajuste individual” de felicidade. Quando eventos extremamente positivos ou extremamente negativos acontecem – como a compra de uma casa maior ou perder o emprego – eles podem temporariamente aumentar ou diminuir o nosso ponto de ajuste de felicidade, mas, após um tempo, que pode ser de até 2 meses, nosso nível de felicidade volta ao nível de antes dos eventos.
O avanço na pesquisa da Dra. Lyubomirsky é que você pode tornar-se mais feliz – permanentemente   Lyubomirsky e outros descobriram que o nosso ponto de ajuste genético é responsável por apenas cerca de 50 por cento da nossa felicidade.
O ambiente e circunstâncias de vida afetam cerca de 10%
 e os 40% restantes é totalmente por nossas atitudes. 
Ou seja, Lyubomirsky, cientificamente chegou à conclusão que você é diretamente responsável por pelo menos 50% do seu nível de felicidade, sendo determinada por seus hábitos, atitude e visão da vida. 
Já dizia Aristóteles, que “A felicidade depende de nós mesmos.”
Mesmo quando você realizar algo grande, a alta no teu nível de felicidade não vai durar. A realização não vai fazer você feliz por conta própria; você tem que trabalhar para fazer e manter-se feliz.
Agora anota essa: a sua felicidade, ou a falta dela, está enraizada em seus hábitos. Adotar novos hábitos permanentes – especialmente aqueles que envolvem coisas intangíveis, como a forma como você vê o mundo, pode ser difícil, mas eliminar  hábitos que te fazem infeliz é muito mais fácil.
Existem inúmeros maus hábitos que tendem a nos tornar infelizes. 
Erradicar esses hábitos ruins, pode mover o teu ponto de felicidade rapidamente – desde que você tenha persistência em erradicar os hábitos ruins da sua vida até que seja natural você não os ter.

SÃO ELES:

1. Isolar-se

Isolar-se do contato social é uma resposta bastante comum para se sentir infeliz, mas há um grande número de pesquisas que chegaram à conclusão de que é a pior coisa que você pode fazer
Existe um ditado inglês que é pertinentemente espetacular: “Fake it until you become it” – vou falar mais sobre isso em outro dia – que significa “Finja até que você se torne isso”
Isso foi provado cientificamente pela Amy Cuddy, pesquisadora de Harvard
O ponto onde eu quero chegar é que socializar com outras pessoas mesmo se você não gosta, vai ser ótimo para o teu humor.

 Eu também tive aqueles dias em que a única vontade que tinha, era de puxar as cobertas sobre a cabeça e não falar com ninguém, mas no momento que isso se torna uma tendência, ela destrói o seu humor, a sua felicidade e a sua vida.
Reconheça que, quando a infelicidade está fazendo você um ser anti-social, você precisa se forçar a sair e se misturar com outras pessoas.
 Você vai notar a diferença imediatamente. Se você se identificou, termina de ler esse post e sai pra rua. Chama um amigo, amiga e sai daí para comemorar a tua felicidade! 
E repete amanhã, e depois, e semana que vem, e mês que vem… 

2. Culpar

Para sermos felizes, precisamos nos sentir no controle de nossas vidas, e é por isso que culpar é incompatível com a felicidade. 
Quando você culpa outras pessoas ou circunstâncias pelas coisas ruins que acontecem com você, você decidiu que você não tem controle sobre sua vida, o que é terrível para o seu humor – para a sua felicidade, e para a sua vida. Se você se identificou, anota aí para repetir todos os dias quando acorda: 
Eu sou responsável por todos os acontecimentos, bons e ruins, que acontecem comigo” e “Tudo acontece por uma razão e propósito, e isso me serve positivamente“. 

3. Controlar

É difícil ser feliz sem se sentir no controle de sua vida, mas, se você tentar controlar demais, o controle também pode te tornar infeliz. 
Isso é especialmente verdadeiro com nós, seres humanos pensantes. Anota isso: a única pessoa que você pode controlar em sua vida é você
Quando você sentir o desejo persistente de ditar o comportamento de outras pessoas,  isso irá inevitavelmente torná-lo infeliz. Mesmo se você pode controlar alguém no curto prazo, que normalmente requer pressão sob a forma de força ou medo, tratar as pessoas desta forma não vai deixar você sentir bem consigo mesmo.
 A exceção é se você for um líder de equipe, e nesse caso precisa controlar o resultado do teu time, mas não as pessoas. 
Esse hábito é um tanto difícil de detectar por si só, mas com a ajuda de outras pessoas, pode ser mais fácil perceber. Alguns signos tem uma paixão especial por controlar, mas isso é assunto para os sites relacionados com astrologia. 

4. Criticar

Julgar outras pessoas e falar mal delas é muito parecido com se entupir com uma sobremesa ruim; você se sente bem, enquanto você está fazendo isso, mas depois, você se sente culpado e doente. 
 Sociopatas encontram verdadeiro prazer em ser mau. 
Para o resto de nós, criticar outras pessoas (em público, em privado ou para nós mesmos) é apenas um hábito ruim que tem a intenção de nos fazer sentir melhor sobre nós mesmos. Infelizmente, isso não acontece bem assim. 
Apenas cria uma espiral de negatividade. Você quer saber se sofre desse mal? 

Se você tem medo da crítica dos outros sobre o que você faz ou deixa de fazer, então certamente você é um crítico e deve cortar esse mal pela raiz. 
Quando pensar em criticar alguém ou alguma coisa, troca de assunto. Se tiver em uma roda de pessoas onde o assunto for criticar alguém, procura levantar o lado positivo, ou sai. Sinceramente, criticar outras pessoas não vai melhorar em nada a tua vida.
 Vivemos hoje em uma época de grande crítica política, econômica e social. 
Quer minha dica de ouro?
Existem tantas coisas boas para investir o teu tempo, como ler bons livros, que não vale a pena entrar nessa onda de críticas. 
Você pode estar pensando: eu sou líder de um time de pessoas e preciso passar um feedback negativo para elas. 
Ok, nesse caso, você vai se reunir a sós com a pessoa cujas ações precisam ser corrigidas. Deixe claro que é para o crescimento dela, seja justo nas suas colocações, e estará livre da praga da crítica.  

5. Queixar-se

Queixar-se é preocupante, bem como a atitude que precede a reclamação. Queixar-se é um comportamento de auto-reforço.
 Por estar constantemente falando – e pensando – sobre como as coisas estão ruins, você reafirma as suas próprias crenças negativas. 
Falar sobre o que incomoda você, pode ajudá-lo a se sentir melhor, mas cuidado: há uma linha tênue entre a reclamação terapêutica e alimentar tua infelicidade. 
Lembra de uma coisa: você atrai aquilo que você pensa.
 Você aumenta aquilo que você foca. Somos humanos, erramos, às vezes somos preguiçosos, e você pode não gostar disso.
 Uma reclamação construtiva eventual não vai fazer mal. Mas o hábito de queixar-se de tudo que acontece de ruim, esteja você envolvido ou não, é prejudicial à tua própria saúde e felicidade, uma vez que certamente, você passará a atrair mais situações que levem você a queixar-se de algo.

 Sabe como eu sei disso? 
Por que eu também eventualmente, atraio situações em me desagradam, mas diariamente eu venho melhorando, repetindo para mim mesmo:

 “Eu atraio situações e pessoas que tornam a minha mais fácil, divertida e lucrativa“.
 E tem funcionado muito bem. Você prefere repetir e acreditar em uma afirmação, ou continuar queixando-se das coisas ruins da tua vida?

6. Impressionar

As pessoas vão gostar das suas roupas, do seu carro, e do que você contar de bom do seu trabalho (ninguém conta a parte ruim), mas isso não significa que eles gostam de você. 

Tentar impressionar outras pessoas é uma fonte de infelicidade gigante, porque você acha que é feliz, mas na realidade, é tudo artificial! 
Procure pessoas que gostem de você e te aceitem pelo que você é.

Todas as coisas que você adquire na busca de impressionar outras pessoas não vão fazer você feliz. Há um oceano de pesquisa que mostra que coisas materiais não nos faz felizes.
Quando você cria o hábito de possuir  coisas, você é suscetível a se tornar infeliz, porque, além da decepção que você pode  ter depois de obter as coisas (logo logo acaba o encanto), você vai descobrir que o que realmente tras a felicidade, não custa nada: são os amigos de verdade, a família, e cuidar bem de si mesmo. 
Não significa que você deve deixar de almejar um carro bom, uma casa maior, um trabalho melhor ou roupas novas: apenas não se iluda, isso não vai fazer as pessoas gostarem verdadeiramente de você.

7. Pessimismo

A vida nem sempre vai acontecer do jeito que você quer, mas quando você está pra baixo, você tem as mesmas 24 horas no dia como todas as outras pessoas.
As pessoas felizes fazem o seu tempo: em vez de reclamar sobre como as coisas poderiam ter sido ou deveria ter sido, eles refletem sobre tudo pelo que são gratos. 
Em seguida, elas encontram a melhor solução disponível para o problema, resolvem, e seguem em frente. 

Anota isso: o mais poderoso combustível da face da Terra para a infelicidade é o pessimismo.
 O problema com uma atitude pessimista, além do dano que faz no seu humor, é que se torna uma profecia auto-realizável: se você espera que coisas ruins aconteçam, é mais provável conseguir coisas ruins. 
Pensamentos pessimistas são difíceis de sacudir até reconhecer o quão ilógico que eles são. Olhe melhor para os fatos, e você vai ver que as coisas não são tão ruins quanto parecem. Poderia ser bem pior. 
Agradeça por isso e siga em frente. Sempre vai ter alguém em situação pior do que você, e você deve ser grato pelo que tem hoje, pelo que já teve, e por ter aprendido o que aprendeu, pois nem todos tem acesso à mesma informação.

8. Saia de perto das pessoas negativas.

Você é a média das 5 pessoas com as quais mais convive. Eu não inventei isso. O Jim Rohn escreveu.  Ele é autor de “12 pilares” e “As sete estratégias para a prosperidade e a felicidade”, considerado o maior Filósofo de Negócios dos Estados Unidos.
Pessoas negativas são más notícias, porque elas chafurdam nos seus problemas e não conseguem se concentrar em soluções.
 Eles querem que as pessoas participem da sua visão negativa da vida para que eles possam se sentir melhor sobre si mesmos. Você certamente já destinou teu tempo para ouvir queixosos, afinal você não quer ser vistos como insensível ou rude, mas cuidado: há uma linha tênue entre emprestar o teu ouvido simpático e ser sugado para o maldito fosso emocional negativo da outra pessoa. 
Você pode evitar ser sugado para a visão negativa da vida estabelecendo limites e distanciando-se  das pessoas negativas quando achar necessário. Pense desta forma: se uma pessoa estivesse fumando, você ia sentar lá durante toda a tarde inalar a fumaça passivamente? NÃO! Você iria afastar-se, até chegar o ponto de precisar ir embora. 
Anota isso: você deve fazer o mesmo com pessoas negativas. Uma ótima maneira de estabelecer limites para o lero-lero de negatividade, é perguntar como eles pretendem corrigir os seus problemas.
 O reclamante, deveria então mudar o foco do problema para a solução, direcionando a conversa em uma direção produtiva – ou continuar o antro de negatividade.
Você deve se esforçar para se cercar de pessoas que inspiram você, pessoas que fazem você querer ser melhor, e você provavelmente já faz isso. Mas o que acontece com as pessoas que te arrastam para baixo? 
Por que você permite que elas sejam uma parte da sua vida? Qualquer um que faz você se sentir inútil, ansioso, ou sem inspiração é desperdício do seu tempo e, muito possivelmente, você pode vir a se tornar como eles.
 A vida é muito curta para associar-se com pessoas assim. 

9. Comparar a sua própria vida com a vida que as pessoas retratam nas mídias sociais.

A Happiness Research Institute  conduziu o experimento no Facebook para descobrir como os nossos hábitos nas mídias sociais afetam nossa felicidade. Durante o estudo, metade dos participantes foram mantidos usando o Facebook como fariam normalmente, enquanto a outra metade ficou sem Facebook (uau!) por uma semana.
 É claro que os resultados foram surpreendentes: no final da semana, os participantes que ficaram sem Facebook, relataram um significativamente maior grau de satisfação com a vida e níveis mais baixos de tristeza e solidão. 
Os pesquisadores também concluíram que as pessoas que continuaram acessando o Facebook, eram 55% mais propensos a sentir o estresse como resultado.
Uma coisa para lembrar sobre o Facebook e outras mídias sociais em geral é que eles raramente representam a realidade
Comercial de Margarina é a minha definição: ninguém escreve que brigou com a família, a vida está uma merda ou que está em uma maré de má sorte, como acontece com todos, inclusive comigo eventualmente. É natural, somos humanos, mas não mostramos o lado ruim da nossa vida nas mídias sociais. 
Se não temos nada de bom para publicar, publicamos dos outros; se temos algo de bom, opa, isso vai para o Facebook! Por isso, a pior coisa que você pode fazer é comparar a sua vida (e incrivelmente, só fazemos isso quando estamos “pra baixo”) com o que as outras pessoas publicam nas mídias sociais. 
O que eu te sugiro: evita ficar ainda pior, se for para se comparar com o lado bom dos outros, compara o teu lado bom, não a tua situação ruim. O que eu mais gosto é comparar eu com eu mesmo no mês passado, no ano passado.
 Isso realmente eleva meu nível de felicidade, pois nestes períodos, estou sempre crescendo. Você não lembra do que comeu ontem? Eu também não, mas diariamente, eu anoto pelo menos 5 dos meus sucessos – coisas que eu me orgulho de ter feito, inclusive levar minha filha no colégio. 
Quando estou com algum revés emocional, leio meus sucessos dos últimos dias e me motivo para alcançar mais de 5 sucessos hoje. Bem melhor do que olhar os comerciais de margarina publicados no Facebook.

10. Não definir metas.

Se você leu meu post da semana passada, sobre como montar um planejamento de metas diárias, leia depois! Ter objetivos te dá esperança e a capacidade de olhar para a frente para um futuro melhor
 Trabalhar em direção às metas faz você se sentir bem sobre si mesmo e suas habilidades. É importante definir metas que são desafiadoras, específicas (e mensuráveis), e conduzidas através dos teus valores pessoais. 
Sem objetivos, você só vai se arrastar ao longo da vida, perguntando por que as coisas nunca mudam. Mudar para onde? – A vida vai te perguntar. 

11. Ceder para o medo.

O medo é nada mais do que uma emoção persistente que é alimentada por sua imaginação de que existe um perigo real. É a pressa desconfortável de adrenalina que você começa quando você dá um passo na frente de um ônibus lotado e sem freios. O medo é uma escolha. 
As pessoas felizes sabem disso melhor do que ninguém, pois são viciados na sensação de euforia que vivenciam ao conquistar seus medos. 
Você se lembra da última vez em que sozinho ou com a ajuda de outras pessoas lhe dando apoio, você venceu algum medo?  
Não tenha medo de correr riscos. Eu ouvi muitas vezes as pessoas dizerem: “Qual é a pior coisa que pode acontecer com você? A Morte?”.
 No entanto, a morte não é a pior coisa que pode acontecer com você. A pior coisa que pode acontecer com você é você permitir a morte crescendo dentro de você, enquanto você ainda está vivo. Sabe qual o maior medo das pessoas em todo o mundo? 
Falar em público. Se você não acredita, basta acessar o google e procurar por “medo falar em público” ou melhor ainda, “fear public speaking”. 
Agora eu quero que você tome uma decisão: não vai deixar de fazer NADA por medo. Se tiver dificuldade para isso, não desanima, continua.
 Você só precisa de uma vitória para ter certeza de que pode alcançar mais resultados. Em breve, farei um artigo para te ajudar nisso.   

12. Viver longe do presente.

Como o medo, o passado e o futuro são produtos de sua mente, nenhuma quantidade de culpa pode mudar o passado, e nenhuma quantidade de ansiedade pode mudar o futuro. As pessoas felizes sabem disso, então eles se concentram em viver AGORA.
 É impossível atingir seu pleno potencial, se você está constantemente em outro lugar, incapaz de abraçar plenamente a realidade (boa ou má) do exato momento presente. Para viver no momento, você deve fazer duas coisas:
1) Aceitar o seu passado. Se você não fizer as pazes com seu passado, ele nunca vai deixar você e ele irá criar o seu futuro. As pessoas felizes sabem que a única boa razão para olhar para o passado é para ver até onde você veio. E DEU.
2) Aceitar a incerteza do futuro, e não coloque expectativas desnecessárias sobre si mesmo. A preocupação não tem lugar no aqui e agora. Como Mark Twain disse uma vez: “Preocupar-se é como pagar uma dívida que você não deve.”
Crie metas para o teu futuro, mas viva no presente, pois se você não fizer nada hoje, as metas não vão se realizar sozinhas. 
Também de nada adianta colocar metas impossíveis de serem realizadas. Sonhe alto, sonhe grande, mas de acordo com o tamanho das tuas pernas. 
Sonhar e escrever tuas metas alguns centímetros além das tuas possibilidades vai gerar a necessidade de aprender mais, crescer mais, para alcançar mais. 
Sonhe grande, mas com os pés no chão.
Quer uma dica para voltar para o presente? Repita as seguintes frases:
Onde estou? Aqui
Que horas são? Agora
Repita até se sentir aqui, agora, no presente.

Juntando tudo

Nós não podemos controlar nossos genes, e não podemos controlar todo o nosso ambiente, mas podemos nos livrar de hábitos que servem apenas para o propósito de nos fazer infelizes.
Seja feliz.
Obrigado! FONTE : https://www.riquezasemlimites.com.br/12-habitos-para-voce-eliminar-e-ser-realmente-mais-feliz/

VISITE ESTE SITE : http://www.santaajudatecnicasdeestudo.com.br/ e saiba porque é importante aprender a estudar



Nenhum comentário:

Postar um comentário